O negócio gerado à volta dos jogos usados tem vindo a ser um tema de discussão, com editoras e produtoras como a Eletronic Arts, e recorrem a medidas para a compra dos jogos em primeira mão, desencorajando os jogadores a comprar jogos usados.

Aparentemente não é apenas a EA que vê o mercado dos jogos dm segunda mão como um perigo em potencial para os seus lucros e, eventualmente, sobrevivência. Andrew Oliver, fundador da Blitz Games Studios, que nos trouxe o jogo Dead to Rights: Retribution, afirmou que o mercado dos jogos usados é uma ameaça maior do que a pirataria.

“Discutivelmente, o maior problema nas consoles hoje em dia é a venda e compra de jogos em segunda mão. Percebo a razão pela qual os jogadores o fazem. Os jogos são caros e após algumas semanas já os completamos ou enjoamos de jogar, vendê-los para ajudar a comprarmos os próximos parece inteligente quando temos pouco dinheiro.”

Mesmo percebendo os motivos dos jogadores, Andrew Oliver deixa o aviso de que “o lucro que as empresas fazem é apenas uma fração do que faziam há uns anos atrás,” e que “este é um problema muito maior do que a pirataria para as consoles principais”.

Depois de sabermos da medida da EA entitulada Online Pass e nos sentirmos de certa forma atacados pela mesma, Andrew Oliver traz-nos o outro lado da moeda. Com menos dinheiro chegando às editoras e produtoras, poderá ser que o mercado dos jogos em segunda mão acabe primeiro com algumas delas antes da pirataria.