Crysis 2 é um jogo desenvolvido pela Crytek e publicado pela Electronic Arts e, diferente da expectativa do grande público, ele não foi lançado para substituir o 1º Crysis como jogo oficial para benchmarks.

O novo jogo, em sua versão para PC, se mostrou surpreendentemente leve, sem deixar de inovar graficamente, principalmente após a empresa desenvolvedora fornecer 2 patches opcionais, um que adicionava suporte ao DirectX 11, incluindo o recurso tessellation, e outro que adiciona texturas em alta resolução. O problema do jogo para PC em específico começou com a publisher, e como em qualquer “bagunça”, não era de se espantar que a Electronic Arts estava envolvida.

A Crytek buscava um parceiro para suportar seu modo online de jogo, assim como uma plataforma que vendesse mapas adicionais em forma de conteúdo descarregável para o modo multiplayer de seu jogo. A Electronic Arts vetou o uso das plataformas Steamworks e Games for Windows LIVE, ambas com os recursos necessários para os objetivos da Crytek, pois a EA estava prestes a lançar sua plataforma concorrente, a Origin.

A desenvolvedora, relutando contra as garras da publicadora, resolveu apelar para um ambiente neutro. Decidiram então que sua integração social seria feita através de um portal independente, usando um script já conhecido chamado Joomla, e com um fórum em anexo, usando um outro script bastante conhecido, o PHPBB. Sua plataforma multiplayer estaria embutida no próprio jogo e poderia consultar servidores pelo mundo, sendo que os oficiais estariam sob supervisão da Electronic Arts, porém, toda a tecnologia, desde a autenticação até o matchmaking, seria feita pelo Gamespy. Já a venda dos DLCs seria feita por um sistema que se integraria ao portal de integração social e ao jogo, nada mais, fornecido pela loja Direct2Drive. Começou aí um pesadelo.

A integração com o Direct2Drive dentro do próprio jogo irritou os analistas da Valve, que removeram o dito cujo da loja do Steam sob a alegação que eles violaram sua política de publicação de conteúdo. A integração do Joomla com o PHPBB provocou um colapso de contas, fazendo com que registros, ativações e DLCs de pré-venda não funcionassem corretamente. Sua plataforma multiplayer continuou funcionando, mas diversos erros na loja segregada da Direct2Drive para vender DLCs para o jogo impossibilitaram a utilização da mesma.

Por fim, a Direct2Drive foi vendida para o GameFly, o que provocou colapso em todo o sistema de gerenciamento de cartões (coisa que já não funcionava devidamente), códigos de pré-venda e transações para aquisição de DLCs, inclusive fazendo com que eles desaparecessem da loja de DLCs presente no jogo, impactando não só em quem gostaria de comprar conteúdo adicional para o jogo, mas também em quem já os tinham ativados.

Este é um pequeno relato em como um mal planejamento (e talvez a submissão a regras de determinados publishers) sobre um assunto que pretendia tanto aumentar a longevidade do jogo quanto a arrecadação com vendas de itens adicionais, se tornou o principal ponto que culminou no fracasso do jogo, não em suas vendas iniciais no varejo, mas sim na expectativa do jogo a longo prazo, na confiabilidade das marcas envolvidas e em suas histórias.