A indústria global de videogames já ultrapassou a indústria do cinema e da música. Mas o Brasil representa apenas 0,5% da indústria de videogames. Até o México, muito menor que o Brasil, já chegou aos 2%.

Por quê?

Por causa dos altos impostos que fazem consoles e jogos custarem até o triplo do que custam nos Estados Unidos.
Essa situação é absurda.
Os impostos altos:

  • estimulam a pirataria;
  • prejudicam o consumidor;
  • prejudicam os varejistas;
  • prejudicam milhares de estudantes de desenvolvimento e design de games;
  • prejudicam desenvolvedores e publishers de games;
  • desestimulam investimento nas tecnologias de ponta, necessárias para o desenvolvimento de games no Brasil;
  • desestimulam as grandes empresas de games de investir no Brasil.

O Brasil tem hoje 195 milhões de habitantes, dos quais mais da metade são jovens.

É o mercado com maior potencial para crescimento, neste momento, no universo dos games.

Para isso, precisamos fazer nossa parte. Cobrando a diminuição dos impostos sobre games.

Muitas ações podem e devem ser tomadas neste sentido.

De todas, uma é a mais urgente.

O projeto de lei 300/07, apresentado em 2007 pelo então deputado Carlito Merrs (PT-SC), estende para os videogames os benefícios que desoneram produtos de informática.

Se for aprovado, os videogames vão ficar mais baratos instantaneamente.

O problema é que desde 2008 ele está parado na Comissão de Finanças do Senado. O relator é o deputado Antonio Palocci (PT-SP).

Não é possível um projeto de lei de tamanho impacto econômico ficar paralisado dois anos.

A campanha CAMPANHA IMPOSTO JUSTO PARA VIDEO GAMES tem o objetivo de forçar a aprovação desta lei, através da pressão organizada dos brasileiros.

Através de um abaixo assinado e de uma campanha online, faremos chegar a Brasília a voz de milhões de gamers e do mercado organizado de videogames.

Faça sua parte! Entre nesta corrente já e divulgue para seus amigos.

Retirado do site da campanha, para votar acesse: www.impostojustoparavideogames.com.br

Eu já fiz a minha parte, faça você a sua!