A série Assassins Creed é esplêndida. Tirando o sentimento confuso deixado pelo primeiro título da série (para aqueles que não procuraram entender a história), a sua narrativa e progressão ocorre de forma tão empolgante que você não percebe como está sendo conduzido pelo jogo, uma vez que sua curiosidade te instiga a cumprir as sequências de objetivo da narrativa. Muito diferente, por exemplo, do Uncharted 3, onde, por conta da preocupação em seguir o roteiro estabelecido, engessa o jogador de tal forma que ele não tem o que fazer no jogo a não ser seguir aquilo que lhe foi determinado.

Assassins Creed: Relevations continua exatamente do ponto que parou o título anterior, Brotherhood. As dicas sobre o passado de Ezio não são muito detalhadas, portanto, recomendo que jogue Brotherhood caso ainda não o tenha feito. No novo jogo, além de se preocupar com as memórias resgatadas dos antepassados de Desmond Miles, temos mais um problema: A cabeça dele está literalmente cheia de memórias falhas, incompletas ou corrompidas, você precisa revivê-las, se preocupando não somente em conduzir Ezio e Altair, mas também manter Desmond vivo. O ideal mesmo seria que o jogador conhecesse a história de todos os títulos da série, uma vez que o principal destaque do jogo é a reaparição de Altair, protagonista do primeiro jogo da série.

A comunidade gamer esperava que a Ubisoft estivesse dando um tiro no pé ao lançar 2 títulos da mesma franquia em um curto espaço de tempo, mas não foi o que aconteceu. A série segue uma linha similar aos episódios de Half-Life 2, mas não tão curta quanto. Suas melhorias são perceptíveis, principalmente as inovações do modo multiplayer, o que prolonga muito a vida do jogo.

A base do gameplay não mudou muito, Ezio continua livre para correr e saltar em grandes cidades e completar missões de escolta, vingança, roubo, nada muito diferente do que já foi visto em Brotherhood, mas incorpora diversas novas mecânicas que aprimoram a experiência do jogador. A primeira delas é um tipo de tower defense, você precisa posicionar unidades entre as ruas da cidade para evitar que guardas Templars cheguem ao esconderijo dos Assassins. A segunda é um sistema de preparação de bombas, melhorando assim seu efeito e poder de destruição, substituindo assim as velhas bombas de fumaça disponíveis no jogo anterior. Para facilitar a exploração dos cenários, o jogador agora pode contar com uma hookblade, uma lâmina em forma de gancho, que te permite atravessar as construções através das cordas que as interligam, nos jogos anteriores era preciso se pendurar ou se equilibrar nelas. O multiplayer traz mais modos de jogos, 8 no total, um sistema de localização de partidas muito mais ágil e 8 cenários já disponíveis, alguns deles portados do jogo anterior, sem modificação.

Assassin’s Creed: Revelations não teve sua engine atualizada, mas os gráficos ganharam uma polida melhor trabalhada, abusando dos fogs e aliases, principalmente nas versões para console. O jogo possui legenda em português (yey!) e a edição especial, chamada de Signature Edition, acompanha a trilha sonora do jogo, uma missão exclusiva, um personagem exclusivo para multiplayer e upgrades específicos para equipamentos no jogo.

Para os apaixonados pela história apresentada em Assassin’s Creed e pela arte renascentista do século XV, época vivida pelo Enzio, Altair, e pelo Desmond quando conectado ao Animus, a editora Record lançou no Brasil o livro Assassin’s Creed: Renascença. O livro é um romance de fácil leitura que conta a história da família Auditore e a busca por vingança do próprio Enzio, não sendo relembrado por um personagem do futuro, mas sim sendo ele mesmo. Mesmo para quem não tem o hábito de ler vai se divertir com o livro. Em 2012 será lançado mais um romance da saga. Mais que recomendado, o jogo e o livro!

Assassins Creed: Revelations
Lançamento: Novembro de 2011
Publisher: Ubisoft
Estúdio: Ubisoft
Plataformas: PC, PlayStation 3, Xbox 360

8.5

+ Apresentação magnífica, ainda não consegui distinguir o que dele é computação gráfica e o que é filmagem
+ Ótimas melhorias, inovações no gameplay da campanha e no multiplayer
+ História perfeitamente alinhada sem engessar a progressão
+ Gráficos em dia, com melhorias sutis em relação ao título anterior
+ Trilha sonora impecável
– Glitches gráficos ainda estão presentes, principalmente no posicionamento de inimigos
– Dificuldade pouco progressiva, o jogo fica mais fácil a medida que adquire equipamentos melhores
– A câmera se posiciona mal e não responde em batalhas que ocorrem em cenários apertados
  • Esta cópia foi cedida gentilmente pela Ubisoft ao Gamepad e testada através do Xbox 360 S 250 GB