Apresentação

Desenvolvido inicialmente pela CAPCOM ainda em meados dos anos 90, Resident Evil é hoje uma das franquias mais consagradas de toda a história dos vídeo games, e é também uma das que mais sofreram modificações ao longo dos anos, dividindo opiniões de sua base de fãs entre aqueles que preferem suas versões clássicas, onde o foco é o suspense e o terror e as versões mais modernas, onde os jogos são mais focados em ação.

Os primeiros jogos da franquia eram mais focados em suspense e terror.

Quando a Capcom lançou recentemente um remake de Resident Evil 2 para as plataformas atuais capazes de suportar o jogo, foi um enorme estrondo e uma grande alegria para os fãs tanto das antigas quanto os mais recentes, pois o segundo capítulo da franquia estava entre os favoritos da grande maioria dessa enorme comunidade, e a versão remake conseguiu pegar tudo que o jogo original tinha de bom e elevar para um outro nível infinitamente superior. E logo que esse remake saiu, já foi vazado a informações de que um remake do terceiro jogo da franquia já estaria no meio de sua produção. Como Resident Evil 3 também era um jogo tão querido pelos fãs da franquia, uma enorme expectativa foi criada sobre o mesmo.

A versão Remake de Resident Evil 2 agradou à gregos e troianos. Muito raro ver uma alma viva que gosta a franquia e não tenha gostado dessa versão.

 

O tempo passou, a produção do remake de Resident Evil 3, que até então não passava de um rumor foi confirmada pela CAPCOM prometendo não só a mesma qualidade apresentada antes no remake de Resident Evil 2 como também uma série de novidades e um modo online denominado Resistance. mas a pergunta que fica é a seguinte: Depois de todo esse tempo de espera e muitas expectativas, será que a espera valeu à pena?

 

Sistema e Jogabilidade

Assim como no remake de Resident Evil 2, a câmera agora acompanha o personagem mostrando o mesmo pelas costas, e quando acionamos a mira para dar algum disparo de arma ela fica sobre o ombro do protagonista, assim como também acontece em jogos tipo Resident Evil 4 ou Gears of War. Essa perspectiva de câmera traz uma imersão muito maior ao jogo não só em sua jogabilidade mas também em seu visual.

Com a câmera nas costas do personagem e a mira sobre os ombros deixa tudo mais dinâmico e imersivo.

 

Muitos dos elementos do jogo original estão aqui presentes mas muitos outros foram aperfeiçoados, modificados e em alguns casos certos elementos deveras importantes foram retirados. Isso deixou muitas pessoas que aguardaram esse jogo durante tanto tempo um tanto quanto desapontadas, já que o remake de RE2 foi tão fiel ao jogo original sobre tantos aspectos, por que diabos não fizeram isso com o RE3?

 

Na minha humilde opinião é simplesmente porque muitas das mecânicas retiradas do clássico não ficariam tão bem implementadas na versão atual. Mas outras mecânicas eu realmente senti falta. São essas funcionalidades que realmente fariam toda a diferença ainda mais se tratando no fator replay do jogo. No RE3 clássico, quando o Nemesis aparecia em algumas partes do jogo, você tinha a escolha através de caixa de texto se iria enfrentá-lo ou fugir. Isso aqui eu acaba sendo irrelevante, pois sempre que ele aparece você pode escolher se vai lutar ou não simplesmente permanecendo no local ou fugindo. Mas as escolhas também aconteciam em ocasiões diferentes onde você podia decidir se interagiria com outros personagens ou até escolher caminhos distintos. Na versão remake essas escolhas são todas em tempo real conforme se joga e muitos jogadores não conseguiram notar isso.

É possível dar vários roles pela cidade e achar as mais variadas curiosidades.

 

Outro detalhe que fez falta nessa versão remake foi vários dos cenários que por algum motivo (talvez relacionado à desleixo ou preguiça dos desenvolvedores) não fazem parte dessa versão. Na prática, em quantidade de cenários essa versão remake deixou muito à desejar, pois o jogo original tinha tantos locais tão icônicos e de tanta relevância e a grande maioria deles não está presente nessa versão.

A mecânica que realmente acho que fez muita falta nesse Remake é o fato de o grande vilão Nemesis aparecer em locais aleatórios. Na versão clássica do jogo podíamos jogar dezenas de vezes e sempre que chegávamos nas partes onde o Nemesis poderia aparecer ficávamos naquela tensão e suspense, pois nunca era certeza se nessa partida ele apareceria ali ou não. Então essa tensão sempre era seguida de um belo susto quando ele aparecia e essa sensação era inigualável. Já na versão Remake o vilão Nemesis sempre aparecerá nos mesmos locais não importando quantas vezes você joga e assim é bem possível em certas partes até evitar dar de cara com o grandalhão, fazendo o jogo ser muito previsível e cansando muito mais rápido.

Enfrentar o Nemesis é sempre o ponto forte do jogo. É realmente uma pena que nessa versão ele vá aparecer sempre nos mesmos locais, diminuindo drasticamente o suspense presenciado em sua versão clássica.

 

O que até pode salvar a experiência do jogador poder rejogar seria o sistema de recompensas conforme se cumpre objetivos. Conforma vamos completando cada um deles vamos ganhando uma quantia em pontos que serve para ir desbloqueando itens específicos que podem te dar muitas vantagens se o jogador tiver interesse em jogar em dificuldades mais elevadas ou até cumprir alguns objetivos que podem chegar à ser bem absurdos.

Em jogabilidade não tem o que reclamar. Os controles funcionam com perfeição e muitas coisas mudaram não só do clássico pro Remake, mas também da recente versão de RE2. Ao assumir o controle de Jill Valentine logo de cara percebe-se que a personagem é bem mais ágil que Leon e Claire em RE2 remake ao ponto de agora até ser possível de esquivar dos ataques dos inimigos. A esquiva de começo pode ser difícil de ser encaixada na hora certa, mas com um certo treino podemos deixar Jill no mesmo nível de Ryu Hayabusa (Ninja Gaiden) e nem mesmo o tão poderoso Nemesis será um desafio para você. E se tratando de Carlos, ao pressionar a esquiva na hora certa o garoto desfere um soco tão poderoso que pode até mesmo levar os inimigos mais fortes do jogo pro chão. É muito legal quando se pega o esquema desses movimentos e faz com que você realmente se sinta um combatente de elite assim como a história do jogo tenta passar.

O alto nível de jogabilidade do jogo é com certeza o seu ponto mais forte.

 

Se tratando de história, o Remake também não é tão fiel ao jogo original. Aqui tudo foi feito, ou melhor, refeito para que a história se encaixasse melhor com os remakes de Resident Evil 1 e 2, respectivamente. Lendo todos os documentos, cartas e tudo mais que se encontrar percebe-se que essa versão está muito mais imersiva, abrangendo melhor vários detalhes da história que a trilogia original antiga não se preocupou em fazer. Os acontecimentos e a interação dos personagens ao longo da história também mudou. Em sua maioria está tudo feito de forma muito melhor que no jogo antigo, mas alguns acontecimentos que foram bem marcantes em RE3 clássico não acontecem da mesma forma aqui, podendo até diminuir a satisfação do jogo por parte dos jogadores mais saudosos da versão antiga.

A história clássica está presente e em certos aspectos melhor contada…

 

Considerações Finais

Resident Evil 3 Remake não consegue entregar uma experiência no mesmo nível que o Remake de Resident Evil 2 o fez, mas não se trata de um jogo ruim. A jogabilidade é muito bem feita e atualmente é a melhor de toda a franquia. Mas algumas decisões tomadas pela CAPCOM são bem questionáveis, pois o jogo usa vários recursos como objetos e inimigos já presente em RE2 Remake, e olhando por esse lado, poderiam ter entregue algo muito superior.

Talvez por preguiça ou pela intenção de resgatar um sentimento de nostalgia, a introdução do jogo é feita com atores reais em Live Action.

 

Mas aí o jogador pode até pensar que o jogo tem salvação nesse ponto, querendo justificar que o mesmo possui um interessante modo multiplayer. Mas será que esse modo é tão interessante assim? E aquelas pessoas que queriam uma experiência digna de Resident Evil solo e que não estão nem aí se o jogo tem ou não um modo multiplayer? De qualquer modo, com multiplayer ou não, o jogo passa sim um bom tempo de diversão, mas aconselho adquirir o mesmo em uma promoção.