Apresentação

Queen’s Wish – The Conqueror é um jogo de RPG e Estratégia desenvolvido pela Spiderweb Software e lançado no dia 11 de Setembro de 2019 para Microsoft Windows, iOS, macOS, Mac OS Classic. À princípio o jogo parece bem simples desde o seu visual e até na movimentação dos personagens. Se a ideia era fazer um jogo retrô, os desenvolvedores conseguiram. Queen’s Wish – The Conqueror lembra muitos os antigos jogos de RPG para PC do final dos anos 80 para o começo dos anos 90.

Gráficos bem simples que lembram bastante jogos de PC bem das antigas.

No jogo, você assume o papel de um príncipe ou princesa do Império de Heaven, comandado pela poderosa Rainha Sharyn. Num belo dia, você é acordado por sua irmã logo cedo, dizendo que sua mãe, a Rainha precisa ter uma audiência com vossa pessoa imediatamente. Ao conversar com sua mãe, a Rainha, ela o incumbe de sair em uma missão e restaurar a paz em várias regiões do continente onde seus antigos aliados agora se rebelaram.



Logo cedo, você é acordado por sua irmã, a Princesa Delia, solicitando imediatamente sua presença perante a Rainha.

Sistema e jogabilidade

Queen’s Wish – The Conqueror possui uma movimentação estilo Point & Click no estilo RPGs clássicos de PC como Baldir’s Gate e derivados. A diferença aqui é que o movimento é feito por tiles e não é um movimento natural. As animações dos personagens também é bem fraca tanto na movimentação pelo mapa quanto nas batalhas. Outro detalhe que achei estranho é que todos os seres, tanto pessoas quanto monstros e criaturas, só se movimentam pelo mapa, cidades e masmorras quando você se movimenta. Do contrário tudo e todos ficam parados. O jogo realmente lembra os jogos antigos onde na hora da produção, todas essas decisões tinham que ser tomadas simplesmente por falta de capacidade do hardware daquela época. Tudo isso traz uma enorme nostalgia de como eram os jogos naquele tempo.

Conforme você anda pelos cenários, os personagens não só se movimentam por tiles, como também possuem animações muito fracas.

Embora o jogo possua um visual muito simples e animações bem precárias, seu sistema de jogabilidade consegue ser bem sólido e muito divertido. O jogo não mostra diretamente o que tem na sala seguinte e assim como de costume em jogos do estilo, só se é revelado o que tem em cada sala quando se entra nela e é claro que sempre fica aquele suspense e o tempo todo o jogo te surpreende. As batalhas também são muito bem elaboradas e divertidas. Aqui elas acontecem em turnos, assim como visto em jogos do tipo Fire Emblem ou XCOM, mas de forma bem mais simples e ao mesmo tempo com sua alta complexidade em certos casos.

As batalhas podem variar do simples ao bem complexo, dependendo do tipo de local e inimigos que se enfrenta em cada momento.

Cada personagem possui uma árvore de habilidades e varia de acordo com sua classe e estilo de luta. Claro que você tem livre arbítrio para construir sua classe da forma que desejar, e também alterar ou criar um personagem multiclasse. Tudo depende de como você gosta de jogar. Mas preciso pensar bem em qual tipo de guerreiro ou mago você vai levar, pois é aconselhável ter um time certo para se dar bem em cada ocasião que o jogo te obrigará à enfrentar.

Ao evoluir um personagem, escolha muito bem cada uma de suas habilidades. Pois dependendo da dificuldade, o jogo não terá piedade.

A história é um fator bem relevante no jogo, pois ela também faz parte de sua jogabilidade. Na caixa de diálogos, você tem uma grande variedade de perguntas e comentários que se pode fazer afim de conquistar aliados, persuadir inimigos e até conseguir informações valiosas sobre esconderijos, tesouros e muito mais. Isso faz com que a exploração não venha só em vasculhar seu gigantesco mapa, mas também procurar o melhor diálogo para cada situação. Aqui o poder da palavra é valioso, sendo assim escolha muito bem o que falar e quando falar, pois em certas ocasiões é muito melhor ficar com a boquinha bem fechadinha.

Preste muita atenção aos diálogos do jogo, pois mesmo eles vão determinar muitas coisas dentro do mesmo.

Considerações finais

Queen’s Wish – The Conqueror tem seus probleminhas com alguns bugs. No meu caso o que atrapalhou foi um específico de travar geral o meu PC. Mas mesmo assim me aventurei no jogo e gostei muito do que vi. Uma história bem legal e bem interessante, personagens cativantes, jogabilidade simples e bem funcional somado à um sistema de progressão bem legal. Só o que faltou mesmo foi uma boa trilha sonora de fundo, pois o jogo todo só se houve efeitos sonoros e sons ambiente. Uma boa trilha deixaria a ambientação do jogo muito melhor. Mas de qualquer forma é um jogo que vale muito a pena e ainda mais se você é jogador de PC das antigas e quer reviver aquela nostalgia.

Gostaria de agradecer ao GOG.com por fornecer uma cópia do jogo para essa análise.