Breach é um jogo de Ação e RPG coop desenvolvido e publicado pela QC Games. O mais interessante é que essa empresa é formada por antigos funcionários da Bioware.
Então você já pensa: “Opa, então o jogo deve ser muito bom, já que a Bioware é uma desenvolvedora de peso e se os caras trabalhavam lá o jogo só pode ser bom”.
Infelizmente não é bem assim que funciona.

Como a história já provou, um profissional pertencer à uma desenvolvedora de peso não quer dizer que se ele fizer por conta própria sairá algo de bom. Vide a historinha do meu coleguinha John Romero.

Sistema e Jogabilidade

Na parte da Jogabilidade, o jogo é bem interessante mas também tem seu ponto decepcionante. Tudo consiste em uma jogabilidade rápida no estilo Hack n’ Slash, assim como vemos em jogos do tipo Devil May Cry ou God of War. Os combates corpo à corpo são bem fluídos e as habilidades dos personagens são bem elaboradas. Não são das melhores mas cumprem bem o seu papel.

A parte decepcionante é que, mesmo o jogo tendo essa jogabilidade bem rápida e fluída, algumas ou várias habilidades do personagem exigem que o mesmo tenha um alvo travado, ou um “Target”. Em um momento em que o pau come solto o seu personagem simplesmente para de bater por que a habilidade em questão exige um alvo que, no meio de toda pancadaria simplesmente saiu do seu alvo ou já morreu. Aí vamos nós caçar outro alvo pra travar e continuar à bater. Parece bobeira mas isso diminui muito o ritmo dos combates.

Jogabilidade bem rápida no estilo Hack n’ Slash. Se não fosse pela necessidade de target para certas habilidades o combate seria muito mais fluído

Aqui não temos grandes inovações em relação à história, sistema e jogabilidade. O mundo real se funde com um mondo repleto de criaturas mitológicas, e um grupo de heróis com poderes especiais vão lutar contra essas criaturas para evitar a ruína total do nosso mundo. O jogo é todo construído em fases instanciadas, onde um grupo de jogadores desbravam vários perigos, matam muitos monstros e no final enfrentam um chefão osso duro. E pode acreditar que, dependendo da dificuldade em que você jogar, os chefes são osso duro de roer mesmo.

Dependendo da dificuldade, os chefes podem sim dar bastante trabalho

O jogo possui uma grande quantidade de classes para se jogar. São no total 26 classes, sendo 18 de heróis e 6 de Veil Demons. Mas o que são Veil Demons. Assim como já visto em outros jogos, Veil Demons são classes e personagens do lado maligno da história. Nesse caso, em partidas multiplayer, jogadores assumirão o papel de Veil Demons para impedir que os jogadores heróis cumpram seus objetivos.

No comando de um Veil Demon, jogadores controlam um espírito maligno que tem a capacidade de criar armadilhas, invocar monstros poderosos e possuí-los, passando o controle do monstro possuído para o jogador

Breach possui uma gama enorme de classes e habilidades, fazendo com que qualquer tipo de jogador se identifique e encontre algo no seu estilo para se jogar. O grande problema é que a maioria das classes são bloqueadas e para liberá-las é preciso juntar moedas dentro do jogo.

Muitas classes à disposição do jogador. A grande maioria está bloqueada mas podem ser liberadas utilizando o próprio dinheiro do jogo

O que realmente atrapalha é que infelizmente os desenvolvedores não deram para o conteúdo do jogo a mesma importância que deram para suas classes. O jogo em si é muito limitado, possuindo apenas quatro cenários PVE que também são usados para o PVP. Para juntar dinheiro para destravar classes e equipamentos são necessários horas e mais horas, ou, dias e mais dias de jogatina repetitiva nos mesmos quatro cenários repetitivos. E quando digo “Jogabilidade Repetitiva”, aqui ela é bem repetitiva mesmo. Os cenários do jogo simplesmente se resumem em andar um pouco, matar, andar mais um pouco, matar mais e assim por diante.

Além de os modos de jogo serem bem limitados, a quantidade de fases disponíveis se resumem em apenas quatro

De começo Breach é bem divertido mas o jogo cansa rápido. Outra coisa bem comum com o Breach é a grande quantidade de lag que atrapalha e bastante na jogabilidade rápida e compromete a diversão do jogo. E sem contar sua péssima otimização. O jogo tem um visual bonito, mas é muito simples e muito pesado para o que tem à oferecer.

O visual do jogo não é ruim. Mas é pesado demais para o que o jogo tem à oferecer

Considerações Finais

Mesmo sendo desenvolvido por nomes de peso, Breach teve um pré-lançamento muito precoce. Mesmo trazendo um jogo que tenha ótimas ideias, da forma que foi lançado sugere que o mesmo tenha tido uma péssima execução, o que pode acabar prejudicando bastante o tamanho da comunidade do jogo, já que muitos o abandonam por falta de conteúdo e problemas técnicos. Com certeza me aventurarei no jogo futuramente assim que lançado oficialmente. mas por hora sou apenas mais um de sua pequena comunidade que o abandonou.