Dead or Alive apareceu pela primeira vez nos Arcades em meados de 1996. Desde o seu surgimento, é bastante perceptível a intenção de seus criadores em trazer para o jogo, uma certa sensualidade por parte de suas protagonistas. A prova disso? Basta olhar os seios balançando contra as leis da física.

Numa época onde mulheres sensuais estavam se tornando cada vez mais comuns em jogos de vídeo game em geral, Dead or Alive apareceu quase que chutando o balde e fazendo a alegria da molecada sem namorada.

Dead or Alive em sua versão arcade de 1996

Várias sequências foram lançadas mas foi no Dead or Alive 2 para o Dreamcast que a franquia começou à se popularizar. E isso não aconteceu somente por seus belos gráficos bem “Arredondados” e “Detalhados” (se é que você me entende). O jogo realmente apresentava uma história bem interessante pra época e também possuía uma jogabilidade bem consistente. E sem contar o modo Team Battle ou TAG Battle (modo de luta de dois contra dois) que na época não só foi muito inovador, mas também trazia uma característica nova para os jogos de luta em 3D.

Após isso a franquia foi seguindo os passos do Dead or Alive 2 em sua jogabilidade, acrescentando novos personagens e melhorando levemente suas mecânicas de jogo. Mas ao longo desse tempo, parece que o foco dos desenvolvedores eram mais voltados à sensualizar suas protagonistas, criando joguinhos onde elas ficassem o tempo todo de biquini fazendo gincanas chatas, onde o foco era fazer com que se balançasse certos polígonos de sua sexy geometria.

Dead or Alive 2 em sua versão Ultimate, já usando o motor gráfico de Dead or Alive 3

Em Dead or Alive 5 a coisa começou ficar séria. A primeira versão do jogo foi lançada com vários problemas e a comunidade foi ficando de saco cheio dos desenvolvedores, que se preocupavam mais com o balançar dos seios do que com o jogo em si. Eles criaram até um motor específico para isso. Com a revolta da comunidade, os desenvolvedores enxergaram o importante espaço que o jogo tinha no passado e foi perdendo com o tempo, pois as franquias concorrentes tinham evoluído muito mais que Dead or Alive. Isso fez com que os desenvolvedores percebessem e se preocupassem em transformar Dead or Alive 5 em um jogo de luta de verdade.

Depois de muitos tropeços, Dead or Alive 5 foi se tornando um jogo de luta de verdade

Apesar de toda a sensualidade ainda estar presente, após suas reedições e correções, Dead or Alive 5 se tornou um jogo de luta de verdade em sua última versão, Dead or Alive 5 – Last Round. A recepção pela comunidade foi muito positiva e seus desenvolvedores estavam tão confiantes no que tinham construído, que disponibilizaram o seu jogo de graça em todas as plataformas, intitulada de Core Fighters. A ideia por trás de Core Fighters é disponibilizar quatro personagens gratuitos e cobrar pelo resto. É possível também comprar o jogo completo com todos os personagens. Tudo estava indo muito bem com Dead or Alive 5, até a TECMO lançar suas belíssimas DLCs que custam uma fortuna. Essas DLCs se resumem em roupinhas e tirinhas de pano pra mostrar mais o que as meninas do jogo tem pra mostrar.

Dead or Alive 5 e suas tirinhas de pano que a molecada adora. Caso queira desbloquear todas as DLCs se prepare para investir uma pequena fortuna

As DLCs que realmente interessam, que seriam os personagens, tem um preço bem razoável e não são um problema para serem adquiridas. Infelizmente os produtores, ao longo dos anos, transformaram suas personagens meninas em um tipo de símbolo sexual virtual, e a molecada sem namorada reclama devido às roupinhas sexy e tirinhas de pano das menininhas serem aquela facada.

O Controverso Dead or Alive 6

Assim como diz o título, Dead or Alive é o mais controverso da franquia. Mas por que isso acontece? A resposta é um pouco longa, mas vamos por partes.
Dead or Alive 6 foi lançado visando o público Hardcore. A ideia é fazer com que o jogo volte à ser uma coisa séria. Os desenvolvedores trabalharam muito bem no balanceamento dos personagens e adicionaram novos elementos à jogabilidade do mesmo.

Break Gauge System

A franquia já é bem conhecida por seus rápidos contragolpes que, quando bem aplicados, o jogo vira drasticamente à favor de quem souber a melhor forma de usá-los. Assim como quase todos os jogos de luta, Dead or Alive é baseado em um sistema de trindade: Um acerto direto vende uma jogada, a jogada vence a defesa e a defesa vende o acerto direto. A diferença é que Dead or Alive dá mais ênfase à essa trindade e executa esse recurso de forma melhorada com relação às franquias concorrentes. Quando você atinge um ataque de um tipo que vence outro tipo, como acertar um ataque quando um oponente tenta arremessar, em Dead or Alive esse ataque se torna um ataque “Hi Counter” e causa ainda mais dano.

Acima a Trindade de Dead or Alive. Strike = Golpe direto. Throws = Jogada. Holds = Defesa

Se não bastasse isso, pra evitar aqueles longos combos que acabavam com praticamente toda a sua barra de vida, foi adicionado um sistema especial denominado Break Gauge System.

Esse sistema consiste em uma barra especial que é usada para seguir a trindade de golpes e contra golpes. A ideia é um tipo de movimento para neutralizar combos especiais e golpes especiais, de acordo com a oportunidade que cada jogador tem no meio do combate.

E não para por aí. O Brake Gauge System ainda possui um combo especial chamado Fatal Rush. Esse golpe especial usa suas duas barras para desferir uma sequência de combos que faz com que qualquer iniciante se sinta um jogador PRO. E o mais interessante é que caso o jogador erre o primeiro golpe para desferir o combo, a barra de especial não esvazia. Claro que o erro é fatal, pois você abre uma brecha enorme para receber um lindo contra golpe. Caso seu oponente aproveite bem a oportunidade, sua barra de especial deverá ser usada para impedir que você leve aquela surra. São várias as oportunidades e formas diferentes de se usar o Break Blow, Break Hold e Fatal Rush. Tudo vai depender do seu estilo e jogo e saber aproveitar as oportunidades.

Com esse novo sistema de jogabilidade o jogo ficou muito mais dinâmico e competitivo. Tanto que a Team Ninja e a Tecmo Koey estão trazendo o jogo para os eSports, sendo que o mesmo já foi escalado para a EVO 2019 (maior torneio de jogos de luta profissional). Isso com certeza traz muito mais confiança para os fãs da franquia e também passa mais respeito para os jogadores que ainda não se arriscaram à encarar Dead or Alive por algum motivo.

Audio e Visual

Na parte de Áudio o jogo continua com uma ótima qualidade. As vozes estão boas como sempre e a trilha sonora é perfeita para a proposta do jogo, que é de muita pancadaria em alta velocidade e sim, Dead or Alive 6 está mais rápido do que nunca.

Os gráficos estão bonitos como sempre mas poderiam estar melhores. Houve sim uma melhoria com relação ao jogo anterior mas perto de outros jogos atuais, percebe-se que ele poderia estar muito melhor. Mas para compensar ou talvez motivo de o jogo ter gráficos mais simples pode ser por conta de seus inúmeros detalhes. Um exemplo é a grande quantidade de objetos destrutíveis nos cenários. São todo tipo de mobílias, itens decorativos e tudo mais que se possa imaginar. E ao jogar os adversários nesses objetos o lutador sofre uma quantidade maior de dano, dependendo de onde o adversário foi arremessado. Em alguns cenários são espectadores que quando o lutador é empurrado pra cima deles, os mesmos empurram o lutador de volta pra arena para ser espancado. Outro detalhe bem interessante também são as escoriações. Quanto mais o lutador apanha mais marcas aparecem no seu rosto. Essas escoriações variam desde cortes e manchas de sangue no rosto e até contusões pelo corpo e muita sujeira nas roupas. Os sub-níveis dos cenários ainda estão presentes. Mas agora, quando se derruba um lutador em um sub-nível, a queda causa uma quantidade de dano muito maior.

O visual não é dos melhores mas ainda assim, Dead or Alive 6 é um jogo muito bem trabalhado e muito bonito

Modo Online

Assim como em seu antecessor, as partidas online fluem muito bem. Nas partidas que joguei eu não tive problemas de conexão ou lags contra jogadores das Américas e Europa. O lag só aconteceu quando entraram participantes com a conexão fraca ou ruim. Que nesse caso não tem como fazer milagre mesmo.

O ponto negativo do online foi não ter um lobby, Assim como em Dead or Alive 5, o jogador precisa entrar no Ranked e ficar esperando algum oponente aparecer. Não demora para aparecerem os oponentes mas o ponto negativo é a dificuldade de conseguir jogar com amigos. Todos precisam ficar no Ranked e esperar a sorte do jogo emparelhá-los para poder jogar. O jogo tem a opção de aceitar partidas com as pessoas que acabaram de jogar, mas mesmo assim sempre acaba caindo para jogar contra algum estranho. Os desenvolvedores já se pronunciaram, afirmando que o jogo dentro em breve terá um lobby para se jogar no modo online. Só espero que realmente seja breve, pois com certeza eles preferem trabalhar em DLCs caras do que em melhorias na faixa.

O modo online infelizmente só possui partidas Ranked. Para jogar com amigos é entrar na busca e torcer para o jogo sincronizar

Modo História

Esse é com certeza o modo mais fraco do jogo. É bem interessante a forma em que o modo História se desenvolve. Mas isso mecanicamente. Conforme vamos passando por eventos o jogo vai abrindo vários novos eventos de acontecimento de vários personagens ao mesmo tempo. Esses eventos são organizados por uma linha de tempo, mostrando quando cada evento aconteceu. Dessa forma, o jogador pode escolher qual personagem seguir primeiro e até ignorar os eventos de personagens que ele não gosta, ou deixar esses personagens que ele acha chato, ou com a história pouco interessante para depois. Até aí tudo bem. Mas o problema é que a história é muito rasa e até seus pontos mais altos são muito fracos. A temática é a mesma de sempre e os acontecimentos são basicamente os mesmos dos jogos anteriores. As cutscenes são bem fracas e em muitas partes os personagens simplesmente lutam por motivo algum. A falta de ideia e de criatividade dos desenvolvedores nesse ponto é impressionante. Só jogue se você quiser conseguir títulos ou conquistas, caso contrário serão três ou quatro horas de vida desperdiçados. Já o modo Arcade está excelente como sempre.

Modo Treino e Modo Quest

O modo de treinamento de Dead or Alive 6 é algo que merece destaque. Temos acesso à nada mais que o melhor modo de treino de todos os jogos de luta da atualidade disponíveis no mercado. E sinceramente não me lembro de já ter visto na vida algum jogo com algum modo treino superior à esse. O jogo simplesmente ensina como executar golpes e combos com cada um dos personagens. O mesmo ainda dispõe objetivos para ter a certeza que que o jogador está executando o mesmo corretamente. São no total 40 lições de treinamento com cada personagem divididos em sub-grupos. Cada uma das lições são ensinadas de uma forma tão competente, que é impossível não aprender à jogar, não importando qual o seu nível de habilidade.

Dead or Alive 6 tem o modo de treino mais completo de todos os jogos de luta da atualidade

Além de um modo de treino muito competente temos também o Modo Quest. Nesse modo o jogo vai te propor desafios variados, afim de testar o seu nível de aprendizado e habilidade. O Modo Quest é também onde você vai desbloquear os extras do jogo com maior facilidade.

O modo Quest proporciona uma variedade de objetivos e missões que aprimoram as habilidades do jogador. Além de fornecer várias recompensas

Personagens

Dead or Alive 6 vem com uma quantidade de personagens um pouco inferior à quantidade já mostrada em Dead or Alive 5: Last Round. Mas ele conta atualmente com 26 personagens. Mais personagens virão por meio de DLCs (lógico). Felizmente comprar os personagens não costuma ser uma tarefa difícil, já que eles variam de 8 a 16 reais. É uma pena o jogo não ter um sistema de pontos para poder liberar os mesmos sem ter que recorrer à compra por meio de DLCs. Já era bem evidente que a empresa adotaria esse tipo de negócio que, atualmente, se tornou bem comum em jogos de luta em geral.

Confira abaixo a lista completa de personagens disponíveis em seu lançamento.

Lista completa dos personagens de Dead or Alive 6 em seu lançamento. Mais personagens virão por meio de DLCs

Doa Central

Aqui você encontra os extras do jogo. Desde trilha sonoras, cutscenes do modo história, a lore do jogo e o Wardrobe.

E falando em Wardrobe, eis que chegamos ao ponto mais punitivo do jogo. Assim como em Dead or ALive 5, temos uma grande variedade de roupas pra cada um dos personagens do jogo. Nas versões anteriores era só completarmos algum modo, como o Arcade por exemplo, que já destravávamos uma roupa específica para o personagem que jogamos. Em Dead or Alive 6 ficou tudo muito complicado. Dependendo do modo e da dificuldade, você vai ganhar pontos de uma determinada roupa. E essa roupa não vai ser para o personagem do qual você está jogando. Resumindo, você vai ganhar pontos de uma determinada roupa para qualquer personagem do jogo aleatoriamente. E nesse caso seria algo do tipo 200 pontos de 1000 para uma roupa específica para um personagem que você nem quer jogar. E depois de muito tempo e muito grind, quando finalmente consegue destravar a roupa, ainda é preciso comprá-la no Wardrobe com moedas que você também ganha completando os modos e objetivos do jogo. O que antes já era demorado pra se fazer agora ficou bem pior.

O punitivo Wardrobe, que apesar da demora, sempre desbloqueia roupas para o personagem que não te interessa. E quando interessa ainda tem que pagar uma pequena fortuna em moedas

Considerações Finais

Com tudo isso, Dead or Alive 6 é de longe o melhor jogo da franquia. Mas isso não só pela jogabilidade aprimorada, pois à primeira vista, ele passa uma proposta muito mais séria e tenta, de verdade, acabar com toda aquela parte apelativa que exagera na sensualidade de seus personagens. E aí vem sua “Controversidade”, pois como eu disse, ele “tenta”. Ou simplesmente faz as pessoas acreditarem que tentaram, por que na realidade não é bem assim que acontece, pois mais uma vez, a empresa está investindo em lançar DLCs que custam uma pequena fortuna. E em que consistem essas DLCs? Simplesmente em mais e mais roupinhas sexy e tirinhas de pano para seus personagens ficarem praticamente sem roupas durante os combates.

A outra controversidade vem do fato de os produtores quererem investir no setor competitivo e nos eSports, mas sequer colocam opções variadas para a jogatina online. Ao invés de treinar em partidas casuais, o jogador Profissional é obrigado à arriscar seu desempenho e seu ranque, jogando direto no modo Ranked para poder aprender como funciona o online. Mesmo que os desenvolvedores já tenham prometido um sistema de lobby para partidas online casuais, a falta desse recurso no lançamento do jogo prejudica muito o mesmo. E sem contar o punitivo Wardrobe. Não basta as roupas de DLC serem uma fortuna. As que o jogo normalmente disponibiliza também são caras e raramente vem a roupa que você quer para o personagem que você gosta. Mas apesar de todos esses pontos negativos, o jogo é muito divertido e vale muito à pena caso pegue em alguma promoção, ou a versão de XBOX ONE que custa apenas 119 reais. Agora se gastar com o jogo antes de conhecer não é uma opção, você pode então optar pela versão Free do jogo denominada “Core Fighters”. Essa versão vem com alguns personagens desbloqueados e o modo arcade, treino, online e outros funcionam normalmente. Ótimo para saber se o jogo realmente vale o investimento.