Vocês já pararam pra pensar em quem será a grande dona do mundo dos jogos? EA Games, Activision, BlizzardUbisoft?

O mercado dos games está crescendo desordenadamente e nós, gamers, estamos vivendo um ótimo período para os jogos. Temos grandes empresas produzindo centenas de títulos maravilhosos e só este ano o título de GOTY (Game of The Year) está passando de mão em mão a cada lançamento. Tivemos Portal 2, Brink, Bulletstorm, Crysis 2… E ainda teremos The Witcher 2, Batman: Arkham City, Duke Nuken Forever, L.A. Noire e muitos outros.



Com tantos lançamentos de peso neste ano de 2011, é interessante dizer que a Ubisoft anunciou a sequencia para sua tão famosa série Assassin’s Creed. É uma grande série, sem dúvidas, que trás uma história envolvente, personagens marcantes e jogabilidade acima de qualquer defeito. Mas, esperem, não faz nem um ano que Brotherhood foi lançado, como já temos outro AC na fila? Um jogo por ano, uma estratégia que boa parte das empresas usam.

O primeiro Assassin’s Creed foi lançado em 2007, o segundo demorou dois anos, sendo lançado em 2009. O segundo jogo melhorou de forma absurda e deu origem ao personagem Ezio, que se torna o principal “mocinho” da trama. Um ano depois de AC2, Brotherhood é lançado e, apesar de toda a pressa para o lançamento, tivemos um jogo igualmente impecável. Hoje já temos preciosas informações sobre um quarto jogo da série, que dará continuidade à história de Ezio e será o último da trilogia “Auditore”.

Nós jogadores sabemos que um bom título demora mais de um mísero ano para ficar perfeito, o próprio Batman: Arkham Asylum (GOTY de 2009) demorou muito tempo para ser totalmente polido e o resultado foi a perfeição. Seu sucessor, Arkham City, será lançado ainda em 2011, depois de dois anos de produção.

Estaria a Ubisoft apelando para crescer o número de vendas? Ou estaria apenas querendo terminar a trilogia “Auditore” para começar com mais calma um possível “Assassin’s Creed III”? Nada se pode afirmar.

O problema não é o jogo ser lançado todo ano, o problema é a preocupação com a qualidade e as promessas feitas aos compradores dos jogos anteriores. Não muito tempo atrás, a Valve lançou Left 4 Dead e prometeu mundos e fundos com DLCs e mais conteúdos extras. Menos de um ano depois lançou Left 4 Dead 2 e prometeu a mesma coisa, mas a cena se repete, porém desta vez com um DLC perdido a cada ano e sem nem um aviso sobre um possível Left 4 Dead 3.

A EA Games é campeã de fazer este tipo de coisa: lança um game, promete mundos e fundos e todo ano lança sua continuação. A EA demonstra uma falta de respeito muito grande para com seus consumidores e, diga-se de passagem, a qualidade desses produtos tem caído muito.

Mas para que questionar a Ubisoft? É simples: empresas de jogos padecem todas do mesmo mal, elas gostam de estragar séries maravilhosas, e o medo de muitos jogadores é que isso aconteça com Assassin’s Creed. Brotherhood veio com modo Multiplayer online, todos esperam conteúdos extras e novidades, mas, agora, com um novo título anunciado ainda para 2011, a esperança caiu para zero. Logo agora que a Ubisoft se fortifica no mercado com jogos muito bem pensados e franquias maravilhosas (Splinter Cell, RUSE, Assassin’s Creed, ChessMaster), dá um susto desses na comunidade, quase se tornando mais uma produtora qualquer.

Só nos resta esperar, vamos ver se a qualidade desta maravilhosa franquia vai cair ou se vamos ter outro jogo perfeito. Mais do que isso, basta esperar para saber se as gigantes vão respeitar seus consumidores que compraram o título original, ou vão continuar com esse descaso, sem lançar novidades ou dlcs, apenas enriquecendo com jogos novos sem qualidade todos os anos.

Vamos todos torcer para que tenhamos um título de peso em novembro deste ano.