Diablo III – Review

A série Diablo já definiu o estilo de jogo de RPG com hack-and-slash pelo qual todos os jogos do gênero foram medidos. Agora, com Diablo III a Blizzard refina os mesmos ganchos que sempre fizeram essa série tão atraente. A diversidade de classes de personagens e opções de personalização de habilidades é impressionante. E o constante fluxo de ouro e tesouros que você ganha é pequeno no começo, mas cresce exponencialmente com a dificuldade do jogo (que está maior do que Diablo II). Uma ótima adição para quem curte o estilo, ou uma boa história.

História

A história de Diablo III não é impressionante, mas ela tem muitas referências e aparições de personagens de jogos anteriores e enriquece o estilo e avança a história já estabelecida da série. Você não precisa de familiaridade com a série para saltar em direção aos desafios de Diablo III, no entanto, se você já jogou jogos anteriores, você provavelmente vai conseguir ainda mais do jogo (por exemplo reconhecer certas músicas e referencias nos textos) mas a história foi criada com cuidado o suficiente para abraçar novos jogadores sem excluir os conhecedores mais profundos do assunto.

Tudo começa com uma estrela cadete caindo dos céus na catedral em Tristram, a cidade condenada onde ocorreram os eventos anteriores de Diablo. Esta ocorrência cósmica tem o efeito colateral desafortunado de reanimar os mortos, e as pessoas de New Tristram encontram-se sitiadas por cadáveres que estavam há muito tempo desanimados. E agora você deve investigar e se fortalecer para lutar contra as forças do mal e das hordas infernais.

Você explora casas simples, mansões, castelos luxuosos e decadentes, cavernas infestadas de monstros e até mesmo esgotos com hordas inteiras de adversários. Ao salvar uma região, é hora de passar para outra, cada local é tão diferente do que a zona que a precedeu, que faz você realmente sentir como se sua busca para livrar a terra do mal através de uma Terra vasta e variada tem impacto no mundo.

Jogabilidade

A jogabilidade é acolhedora e fácil de entender tanto para veteranos nesse estilo quanto recém-chegados.  Você começa com habilidades básicas e vai aos poucos liberando novas habilidades, tornando mais simples ir acompanhando as magias. Mas com o passar do tempo pode-se customizar amplamente seu personagem, adaptando magias com runas e equipamentos que aprimore, modifique ou altere fatores na magia e embora pareça ser difícil é apenas para adaptar inicialmente o personagem, no fim, você terá 6 magias por vez e 4 talentos apenas, ou seja, apenas precisa se preocupar com 6 botões (isso se não tiverem efeitos passivos como auras e buffs).

Até chegar nesse estado atual a jogabilidade foi praticamente remodelada 3 vezes, isso já após o lançamento, levando em consideração o feedback dos fans e jogadores, mostrando o comprometimento com a felicidade deles, e não com o orgulho em si do jogo, ponto para a Blizzard.

Saques funcionam da mesma maneira dos jogos anteriores, ao matar um monstro, e as moedas e os itens tem chance de serem derrubados no chão, fazendo com que você sinta que acabou de ganhar um jackpot em Las Vegas. Mas as vezes, é um lixo tão baixo em valor que nem sequer vale a pena pegar e ocupar espaço na mochila. Mas você nunca sabe quando você vai tropeçar em uma arma ou peça de armadura que é superior ao seu equipamento atual, tornando-o mais capaz de enfrentar as próximas hordas. Mesmo que algo não valha a pena usar, muitas vezes vale a pena pegar, seja para vender ou para desmontar no ferreiro da cidade para coletar materiais que podem ser usados para elaborar outros itens ou até tentar a sorte e transformar o item em outro usando um novo sistema dentro do jogo.

Ao contrário do Diablo II, você não mais utilizar poções de saúde em sequência para neutralizar as adversidades imediatamente, pois agora as poções têm um temporizador, exigindo que você jogue um pouco com mais cautela enquanto ela estiver fora de uso. Porém é capaz de se coletar poções (sem limite de uso) que curar vida e adicionam efeitos variados, embora extremamente raras.

Um fato meio polêmico de Diablo III é que você precisa estar online o tempo todo, mesmo que esteja jogando sozinho, então, se você não tiver uma conexão de internet confiável, simplesmente não consegue jogar no Hardcore por muito tempo (onde se o personagem morrer você perde ele e todos os seus equipamentos).

Graficos e som

Visualmente o jogo está belíssimo, o estilo dos personagens e equipamentos evoluiu bastante também, em geral o jogo tem uma nitidez e brilho difíceis de serem alcançados nesse estilo de jogo (com todos aqueles monstros e magias acontecendo alguns tem até que baixar o nível dos gráficos, principalmente quando tem 4 jogadores).

A trilha sonora comunica tanto o tom tenebroso e decadente quanto com a grandeza épica dos eventos do jogo, enquanto a voz da narrativa melodramática adiciona estrutura narrativa ao estilo hack-and-slash.

Multiplayer

O jogo funciona bem online para jogar com os amigos, e tem uma boa quantidade de players jogando, muitos deles em salas abertas que podem ser marcadas com objetivos específicos.  A comunidade como um todo sempre se ajuda muito principalmente para farmar itens ou acelerar o level do personagem, principalmente na categoria Hardcore.

O que ainda foi mais facilitado pela adição do chat por voz pelo launcher, apenas necessitado você adicionar um dos players jogando com você e começar uma conversa por voz, sem necessidade de um programa externo.

Lembrando que quando outros jogadores se juntam ao seu jogo, as forças do mal se tornam mais poderosas, e se não ficarem perto um do outro e trabalharem juntos, você pode acabar tendo que diminuir a dificuldade. Este desafio adicional incentiva o trabalho em equipe.

Foram criados também vários ranks de vários tipos de desafios classificados por mundial, zonas e até guildas para poder disputar quem é o melhor nesses quesitos.

Conclusão

Diablo III pode não ser inovador no seu estilo, mas mas é um jogo muito bem polido, cria um mundo atraente e oferece desafios tão agradáveis que faz com que essa fórmula fique fresca novamente. Você pode, finalmente, ser vitorioso ao vencer as forças do inferno, tentar ser o melhor do mundo no rank de algum dos desafios, ou simplesmente passar o tempo até a hora de dormir, de qualquer maneira, terá uma boa experiência.

[rwp-review id=”0″]

Fernando Salgado

Fernando Salgado

A vida é curta demais para viver apenas uma.

Você pode gostar...