The Incredible Adventures of Van Helsing: Final Cut é a edição definitiva da série, que carrega o conteúdo da história de todos os três primeiros jogos unificadas sob um mesmo nome e apenas um conjunto de sistemas, tendo seus gráficos atualizados e história levemente editada para ficar mais fluida

Gameplay

Certamente, cada jogo tem tido a sua própria abordagem diferente em relação ao sistema de classes e habilidades, alguns mais bem-sucedidos, outros menos, mas tudo caiu sob o clássico Hack ‘n’ Slash (jogo que enfatiza o combate). A mais recente abordagem mantém as seis classes de Van Helsing III e reformula o sistema de habilidade. Habilidades de nível superior agora beneficiam habilidades do grupo inferior, fazendo com que investir nelas valha a pena, uma vez que você as evolua o suficiente para que elas se tornem obsoletos, tornando-as novamente úteis por adquirirem novas capacidades.

O jogo faz uso de uma conta online que centraliza os dados dos personagens nos servidores da NeocoreGames. Sem ter uma conta, no entanto, você ainda pode jogar, porém personagens off-line não estarão disponíveis para uso online. Não ter uma conta também afeta a disponibilidade de certos elementos do jogo em níveis mais avançados, mas, é louvável os desenvolvedores não fazerem o jogo requerer uma conexão constante para possibilitar o jogo.

Todas as classes têm os seus próprios focos e juntamente com as características físicas do personagem personalizáveis ??e sua árvore de habilidades garante, pelo menos, uma certa longevidade do jogo. O final do jogo gira em torno do modo história, onde os jogadores podem executar mapas gerados aleatoriamente na esperança de obter novos itens melhores e aperfeiçoar seu personagem via buffs passivos do sistema de Glória. O sistema de Glória, ao lado dos novos sistemas de dificuldade são maneiras de alongar o tempo de jogo e ambos foram claramente inspiradas em Diablo 3. Ao terminar o jogo você também possui missões diárias que muitas vezes exigem certas classes de personagens para ser concluída, assim, incentivando a criação e nivelamento mais do que apenas uma classe.

Os itens deixados pelos monstros tendem a serem mais variados, além de serem focados principalmente na classe do personagem que você está jogando naquele momento. A opção de atualizar as peças dos equipamentos com as essências (item do jogo equivalente a sockets – ou gemas), ainda está lá. Desta vez, a pessoa também pode combinar essências para ganhar versões mais potentes das mesmas essências. No caso de você encontrar itens épicos inúteis, um vendedor específico pode combiná-los, oferecendo em troca um novo épico aleatório que agora se iguala com o nível atual do personagem. Desta forma, itens épicos de baixo nível podem ser recolhidos ao longo do jogo e só serem realmente “utilizados” quando combinados ao ter o nível máximo atingido, para poderem gerar épicos de nível máximo.

VHFC gameplay

Gráficos e áudio

Visualmente, nós estamos falando sobre a mesma engine com a qual os jogos anteriores foram desenvolvidos, sendo a única adição o pacote de textura de alta resolução de 7GB que torna o jogo um pouco mais bonito.

As animações ainda que um pouco desajeitadas e faltando um pouco de polimento já cotidiano de outros jogos da categoria ainda são funcionais e agradáveis aos olhos.

Às vezes, efeitos sonoros simplesmente não são tocados quando você estiver usando uma habilidade, ou quando os inimigos estão atacando você, embora na quantidade de monstros e magias lançadas no jogo a maior parte das vezes isso seja meio imperceptível a não ser que se esteja procurando por essas falhas.

Um ponto alto do jogo é o fato de todas as missões terem áudio e não ser apenas o texto em cima da cabeça dos personagens, e essa dublagem (em inglês mesmo, o jogo não tem localização) foi muito bem feita por sinal.

The-Incredible-Adventures-of-Van-Helsing-Final-Cut- graphicHistória

A história do jogo baseado no famoso caçador de monstros que despertou todos os tipos de problemas no romance de Bram Stoker Dracula. O primeiro jogo foi lançado em 2013, enquanto as sequências seguiram sendo anualmente lançadas. E basicamente sua história consiste em investigar um pedido de ajuda para o pai de seu personagem (Van Helsing) e ajudar as pessoas pelo meio do caminho, porém dentre a aparente comum linha de pensamento seguida pelo jogo, ela tem várias boas missões e interessantes mecânicas em outras.

Embora os jogos anteriores da série tenham tido problemas com missões quebradas, The Incredible Adventures of Van Helsing: Final Cut faz um excelente trabalho em corrigi-las. Erros, no entanto, ainda são relatados em fóruns e na própria steam, mas em uma quantidade aparentemente menor e eles nunca são de quebrar totalmente o jogo como existiam antes.

Claramente um dos pontos altos da série é a interação entre Van Helsing, o caçador, e Katarina, sua companheira fantasmagórica. Este continua a ser o caso no Final Cut, com falas de provocação e alfinetas a torto e a direito. A história atinge um monte de clichês, mas em certos momentos esse tipo de história brega cresce sem e tem lampejos fora do padrão esperado que, ainda que ligeiramente, sejam bons para se desfrutar.

Outro ponto interessante é que apesar de toda a enorme quantidade de itens que são coletados ao longo do jogo, devido a Katarina estar ali para aliviar a carga (apesar de ser um fantasma e, portanto, tecnicamente, você sabe, intangível) ela é muito boa em se livrar de tudo o que você coleta mantendo seus bolsos livres para as coisas boas apenas. Sim, isto essencialmente a coloca no status de um animal de estimação de Torchlight, mas ela é muito mais confiavél em combate e melhor customizável para se ajustar ao seu estilo de jogo. Mesmo ela começa um pouco fraca e propensa a morrer, a sua árvore de habilidade lhe permite evoluir para uma poderosa fonte de dano, suporte, ou linha de frente, ou algo entre os 3.

vhfc overviewMultiplayer

O segmento on-line tem seus altos e baixos, sendo mais comum do que o esperado não conseguir entrar em modos PvP e tomar disconects no modo Adventure. Jogando on-line o modo história parece funcionar perfeitamente bem, no entanto, e é o anfitrião que decide qual parte da história está sendo jogado e o sistema de matchmaking às vezes tem dificuldade em colocar jogadores que estavam no mesmo ponto da história juntos. O jogo online funciona melhor se você trouxer um grupo de amigos para jogar ao mesmo tempo.

[rwp-review id=”0″]