Já abordei este tema em diversos posts e veículos, como na iMasters, no meu blog pessoal e aqui no Gamepad. A verdade é que tudo é culpa da distribuição digital, principalmente da forma como ela não é feita.

Listando:



  • Pirataria
  • DRM
  • Má distribuição
  • Falta de continuidade
  • Falta de suporte
  • Fracasso nas vendas
  • Preços abusivos
  • …é, não dá para listar tudo.

Não adianta muito bater sempre na mesma tecla, mas não tenho qualquer outra forma de dizer para as distribuidoras o óbvio: Você não irá vender bem se você se recusar a vender. Parace óbvio, mas tem gente que discorda.

Por quê o DRM não funciona?

A SEGA, por exemplo, reclama que o jogo Alpha Protocol não vendeu bem, reclamou das péssimas notas e informou que o jogo não terá continuação devido a esses problemas. A verdade é que o jogo tem diversas falhas internas, o que aponta para um abandono do suporte técnico e suas correções, não é vendido em vários países, o que incentiva a pirataria, e que conseqüentemente gera uma aplicação de DRMs inúteis, que só afeta o consumidor legal e não barra a própria pirataria, e consequentemente a tudo isso, existe um fracasso de venda e preços abusivos.

A Activision tentou dizer que o jogo Blur não enfrentou o mesmo problema. Mentira. E por causa das mesmas falhas citadas acima.

As gravadoras musicais reclamam veemente sobre a pirataria, principalmente em países que não possuem… ops, a loja do iTunes. Onde eles querem que compremos nossa música? As lojas nacionais não possuem a música que eu escuto. Essa é uma falha de distribuição gritante, e sem distribuição globalizada, a pirataria deixa de ser uma ilegalidade, passando a ser “a única forma de acesso ao conteúdo”, da mesma forma com que acontece quando falando de jogos e filmes que não são vendidos em nosso país.

Já pesquisou sobre leitores de livros digitais, como o Kindle? Existem tantos formatos de livros digitais no mundo que é impossível escolher algum sem se arrepender, sem considerar os preços proibitivos dos leitores deles. Este é um mercado que definitivamente está fardado a viver no papel, literalmente falando, ainda por algumas décadas.

Rest of World group: "Vender jogos para todos lhe trará mais vendas"

A continuidade dos títulos não afetam somente a distribuição de jogos em relação a regiões do mundo, mas também a plataformas distribuídas. É o caso de títulos de jogos como Resident Evil 5, Burnout Paradise e Battlefield: Bad Company 2. Os títulos foram lançados para várias plataformas, mas somente algumas delas ganharam expansões ou conteúdos adicionais.

Todo esse cenário gera uma nova balbúrdia: A dos preços abusivos. Com a adoção do preço máximo dos preços em mídia definidos como 60 dólares, as publishers resolveram adotar o mesmo preço… para jogos distribuídos via download. A justificativa principal é que os títulos oferecidos por download sofrem mais com a pirataria. O mais estranho é que, mesmo sabendo que o DRM é quebrado em menos de 24 horas, insistem em utilizá-los. E mesmo sabendo que o cenário pirata só piora quando aplicam restrições de compras, continuam restringindo.

Não vejo solução. Aliás, a solução é simples, o que eu não vejo é disposição das distribuidoras, publishers, ou qualquer outro nome que quiser dar a elas, para melhorar o próprio mercado.