A comunidade de usuários do PlayStation Network está eufórica, o PlayStation Plus foi apresentado na E3 pela Sony como um concorrente de peso ao Xbox Live, sem perder suas funcionalidades gratuitas já existente, que sem dúvida, sempre foi diferencial importante.

Entre os recursos ofertados, estão 4 jogos gratuitos todo mês, avatares e temas exclusivos, possibilidade de testar jogos completos selecionados por 1 hora antes de decidir comprá-los, baixar atualizações do sistema e de jogos automaticamente agendando um horário para o console ligar e desligar sozinho, além de descontos exclusivos que variam de 20 a 50% no PlayStation Store, somente para os membros do serviço pago.

Analisando um pouco além desse mar de rosas, alguns pontos ainda não agradam a todos os usuários. Não que o PlayStation Plus seja um mal negócio, muito pelo contrário, só no primeiro mês você ganha, só com os jogos gratuitos, mais do que todo o valor de assinatura de 1 ano do serviço, que é inferior a 50 dólares.

A primeira – e antiga – reclamação dos usuários é em relação ao Cross Chat, ou seja, pode falar com seus amigos por voz mesmo estando em jogos distintos. A Sony já adiantou estar trabalhando neste recurso, mas sem qualquer informação de quando estará disponível. Este é o ponto onde os usuários mais reclamam, uma vez que seu concorrente oferece este recurso em seu serviço pago.

A segunda reclamação é uma controversa: Quando você assina o PlayStation Plus, você ganha o direito de baixar pelo menos 4 jogos selecionados todos os meses, sendo 1 jogo da PSN, 1 jogo de PSOne e 2 jogos da sessão “minis”. Acontece que esses jogos não são seus para sempre, se você não renovar sua assinatura, após o vencimento dela os jogos deixam de funcionar, ainda que retornando se você assinar novamente o PlayStation Plus. Muitos jogadores estão indignados acreditando que este seria um modelo de aluguel de jogos mascarado. “Se quer nos dar algo, nos DÊ isto, ao invés de trabalhar com contratos em comodato”, reclamam no fórum do PlayStation.