A notícia, já não tão recente, sobre a remoção de suporte a Linux nas modelos antigos do Playstation 3 serve como lembrete que o console já sofreu algumas alterações desde seu lançamento. Enquanto nós temos um novo modelo, menor e mais leve, várias características foram aos poucos sendo removidas, estas que eram consideradas características a favor do console, na hora de considerar sua compra. A Sony não parece se importar do quanto isso é importante, segue uma revisão de como as coisas mudaram desde o lançamento do console.

Rumble

Quando a Sony revelou oficialmente o controle original do PlayStation 3 – o Sixaxis – ele já suportava controle por movimentos, mas não o recurso de vibração. Phil Harrison, executivo da Sony Computer Entertainment, negou a importância do rumble, dizendo:

“Eu acredito que o controle Sixaxis oferece aos designers e desenvolvedores de jogos, de longe, mais oportunidades de inovação para o futuro que o rumble alguma vez o fez. Agora, penso que o rumble foi um recurso da geração passada; isso não é um recurso da próxima geração. Eu penso que a sensibilidade de movimentos é, e não vemos a necessidade disso. Dito isso, haverão recursos de controle específicos, como volantes que incluam force-feedback e vibração, não vindo de nós, mas de parceiros terceiros.”

Mas quando a Sony se livrou de seu processo iniciado pela Immersion e lançou o Dual Shock 3, seu discurso sobre o rumble foi muito diferente, quando a companhia divulgou um comunicado dizendo:

“O novo controle Dual Shock 3, do PS3 beneficiará também criadores de conteúdos, dando a possibilidade de expandir ainda mais sua imaginação criadora.”

Esta mudança repentina foi reconhecida pela Sony. Phil Harrison jogou politicamente para tentar minimizar o impacto da antiga posição da Sony sobre o rumble:

“Sobre as antigas declarações que eu fiz, nós estávamos sob um processo judicial, o que esperava que eu dissesse? Estávamos em um processo. Estavamos em litígio. Claro que eu tenho que defender nossa visão. E atualmente, eu ainda acredito verdadeiramente que com o controle Sixaxis da forma como estava é a melhor forma de controlar jogos. E eu penso que com o nosso trabalho avançando junto com a Immersion, quem sabe onde isso irá nos levar.”

Retrocompatibilidade

O antecessor do PS3 foi um enorme sucesso, e que ostenta uma das maiores bibliotecas de qualquer consolo de jogos. A capacidade de executar todos esses jogos em um novo PS3 foi um grande ponto de venda.

“PSone roda no PlayStation 2 como emulação utilizando o hardware atual. PlayStation 3 irá oferecer a mesma compatibilidade para os títulos de PS2 e o formato irá continuar para sempre”

disse Ken Kutaragi em 2003. Retrocompatibilidade tem sido aclamada como um dos principais pontos de venda dos consoles Playstation, permitindo que os jogadores de PlayStation continuem a aproveitar sua existência com seu catálogo de jogos.

Phil Harrison disse em 2006:

“Retrocompatibilidade, como sabem do PlayStation One e PlayStation 2, é um valor vital de que nós acreditamos que devemos ofertar. E o acesso à biblioteca de conteúdo que as pessoas criaram, comprando para si, e acumulado durante anos, é necessário criar um formato. PlayStation é um formato, significando que ela transcende muitos dispositivos. PSOne, PS2, e agora PS3.”

Quando o recurso foi removido dos novos modelos a partir de 2007, o presidente da Sony Computer Entertainment America, Jack Tretton, disse:

“Retrocompatibilidade é uma boa consideração secundária, mas está longe de ser nossa prioridade número 1.”

E não parece haver alguma possibilidade que ela vai voltar, como John Koller, diretor de produtos da Sony, disse para o website Ars:

“Isto não está voltando, então vamos colocar isso na mesa. Mas isso as pessoas nunca falaram sobre! Isso não impacta na intensão de compra da forma como você está ouvindo. Nós tivemos um crescimento substancial na linha de títulos no PS3; a maioria das pessoas estão comprando PS3 para jogos de PS3. Eles estão comprando isso para jogos de PS3 e filmes em Blu-ray. Isso (a retrocompatibilidade) não está retornando.”

Linux

Que nos leva à remoção do Linux. Embora não necessariamente um grande ponto de venda, em várias ocasiões a Sony se vanglorizou sobre a característica. Em 2006, Harrison disse que combinando o suporte a Linux com outros recursos do PS3 fariam o PC obsoleto:

“Nós acreditamos que o PS3 será o lugar onde nossos usuários jogarão, assistirão filmes, navegarão na web, e usarão outras funções de computador. O PlayStation 3 é um computador. Nós não precisamos do PC.”

Essa atitude foi repetida várias vezes. Phil Harrison declarou:

“Um dos mais coisas mais poderosos sobre o PS3 é a opções ‘Install Other OS’ (Instalar outro Sistema).”

O engenheiro da Sony Geoffrey Levand escreveu para um mailing list do PS3 em agosto de 2009:

“Fiquem tranquilos que a Sony Computer Entertainment está comprometida em continuar o suporte aos antigos modelos vendidos que possuem o recurso ‘Install Other OS’ e que esta característica não será desabilitada nas próximas atualizações de sistema.”

Mas, uma vez o PS3 foi submetido a “questões de segurança,” aparentemente relacionado ao console sendo adulterado, a Sony não perdeu tempo em remover o recurso.

“Esta característica permitia aos usuários a instalar um sistema operacional, mas devido a preocupações de segurança, a Sony Computer Entertainment eliminará a funcionalidade através da atualização do sistema 3.21”

declarou a empresa.

“Além disso, desabilitando o recurso o ‘Other OS’ irá ajudar a garantir que os donos de PS3 irão continuar a ter acesso à vasta gama de jogos e conteúdos de entretenimento da Sony Computer Entertainment e seus parceiros de conteúdo em um sistema mais seguro.”

O que vem depois?

O que é mais interessante sobre a Sony mudando constantemente de posição é que ele poderia criar um precedente perigoso: Características que uma vez foram vendidos para você em um console poderiam não mais estar disponíveis após a compra. O histórico da Sony de se desconcertar, contradizendo diretamente o que foi declarado por eles é preocupante, e deve ser lembrado. O PlayStation 3 ganhou e perdeu muitos recursos, mas as declarações de retirada de recursos feitas pela empresa devem ser analisadas criticamente, com o passado de contradições e mudanças repentinas mantidos como primeira lembrança.